Itemtexto

Aulas e Atendimentos

Itemresume_class_attendancePiePageCorkfull.cork

“Empregamos a palavra aluna(o) para designar qualquer pessoa que pratique eutonia, inclusive aquela que recebe tratamento eutônico, para deixar bem claro que, para nós, nunca se trata de ‘pacientes’, mas sim de pessoas ativas e, em última análise, responsáveis por sua própria evolução.”

(Gerda Alexander, 1991, p.21)

Itemclass_attendance_contentPieTextCorkfull.cork

Na eutonia tradicionalmente desenvolvemos o trabalho por meio de aulas em grupo e atendimentos individuais.

Aulas em Grupo (veja abaixo os horário de aula)

O percurso da aula é guiado pela eutonista a partir de um planejamento que leva em consideração seu saber perceptivo, sua prática eutônica e o contato com os alunos.

A partir disso é criada uma narrativa que conduz a atenção da° aluna° ao tema da aula e que convida à observação e acolhimento das sensações que emergem do trabalho corporal, visando à percepção e conscientização do corpo, seus hábitos e posturas.
 
Os temas trabalhados conduzem à percepção dos apoios do corpo e da relação com o solo e o ambiente, à sensibilização da pele, à consciência da estrutura óssea, à vivência do espaço interior do corpo, visando a capacidade de estabelecer contato eutônico consigo e com os outros. 
 
A ampliação da propriocepção corporal e da qualidade de contato, resultará na capacidade de realizar movimentos mais econômicos a partir do domínio de técnicas como repousser, transporte, micromovimentos, microestiramentos, deslizamento de ossos (gliding bones), movimentos eutônicos (movimento ativo-passivo), posições de controle, estudos de movimento e espreguiçamentos (ampliação dos espaços articulares). 
 
Para o desenvolvimento das aulas, utilizamos “(…) linguagem clara sem tom sugestivo, permitindo que cada um reconheça sua própria realidade. Fala-se de temperatura do corpo, não de calor ou frio; pede-se ao aluno que sinta seu corpo, sem sugerir-lhe uma qualidade (pesada ou leve).” (Alexander, 1991)

A pessoa desenvolve autonomia e acompanha ativamente a pesquisa sobre seu corpo, em seu tempo-espaço e em seu ritmo de investigação. Em repouso e em movimento o corpo é explorado através da atenção, da auto-observação e do conhecimento da anatomia e fisiologia. Utilizam-se objetos auxiliares variados tais como bolinhas, bambus, sementes, almofadas, pedras, tecidos dentre outros para aprofundar a pesquisa e orientar o contato e a atenção ao corpo. 

A pedagogia da eutonia, no campo da educação somática, propõe uma experiência que é vivida como um processo de imersão na relação com o corpo. Esse aprendizado, acessado de modo consciente, permite que encontremos recursos psicofísicos para o ajuste e equilíbrio do tônus nas diversas atividades da vida cotidiana.  

Gerda Alexander descrevia a Eutonia como uma pedagogia-terapêutica que conduz o aluno a encontrar autonomia na busca pela saúde e bem-estar corporal. Eutonistas indicam caminhos, recursos e orientam o desenvolvimento de uma pesquisa pessoal com liberdade. Este é um de seus maiores benefícios e uma grande particularidade da abordagem – um processo de conhecimento de si e de autonomia crescente. 
 

Horário de aulas regulares em grupo - atualmente aulas ao vivo online busque seu melhor horário e contate a/o profissional

                                                               São Paulo – Capital

 

 

 

2a3a4a5a6asabdom

9h30/11h

Tereza Gomes

9h/10h30

Cláudio Gimenez

 

10h/12h 

Luciana Gandolfo

 

9h/10h30

Gabriela Bal

9h/10h30

Lilian Scutti

 

 

 

 
 

17h18h30

Renata Saito

15h/16h30

Renata Saito

16h20/17h50

Maria Thereza Bortolo (Tereco)

 

14h/15h30

Andrea Soares

  

19h30/21h

Juliana Passos

20h21h30

Tereza Gomes

20h30/22h 

Ana Carolina  B.Filizzola

 

 

 

18h/19h30

Felomenia Pinho e

Miriam Dascal

18h19h30

Luciana Gandolfo

18h15/19h45

Patrícia Pernambuco

18h30-20h

19h/20h30

Cláudio Gimenez

Gabriela Bal

19h30-21h

Luciana  Gomes Pereira

19h30/21h

Renata Saito

    

 

                                                    São Paulo – interior

2a3a4a5a6aSabDom
 

10h30/12h 

Fernanda Moretti

Mogi das Cruzes

     
 

15h16h30

Regina Petti

Nazaré Paulista (Atibaia)

16h30-18h

Layla Mulinari

Lorena

    
       

 

Rio de Janeiro
SegundaTerçaQuartaQuintaSextaSábadoDomingo
 

19h/20h30 Maria Thereza Feitosa

9h/10h30 Maria Thereza Feitosa

10h-11h30 Maria Thereza Feitosa

 

  

 

Uberlândia
SegundaTerçaQuartaQuintaSextaSábadoDomingo
 

17h-18h30 Fernanda Bevilaqua

19h-20h30 Fernanda Bevilaqua

 

 

 

  

 

Atendimentos Individuais

A/o eutonista trabalha individualmente com a/o aluna/o, realizando toques e manobras, fazendo uso de consignas verbais, guiando a atenção para o modo como organiza sua postura e padrões de movimento. Nesse diálogo, a/o eutonista modula sua intenção de toque, convidando a/o aluna/o a dirigir a atenção ao seu estado geral, sua presença física e psíquica.

Na prática terapêutica o toque eutônico cria um canal de comunicação não verbal entre aluna/o e eutonista, a que chamamos de contato consciente. Isso permite que a° eutonista perceba o estado geral do aluno, sua vitalidade, a relação com o solo (qualidade de entrega), o ritmo da respiração, da circulação, o nível do tônus (estado da musculatura), a flexibilidade articular, os alinhamentos ósseos, dentre outros.
A consciência de si adquirida durante o atendimento abre a possibilidade do aluno transformar o modo como vivencia suas atividades da vida cotidiana.  
 
“Essa forma de estar plenamente presente no corpo e de preservar a capacidade de se maravilhar com ele, fugindo da ideia de torná-lo objeto, caracteriza para mim a abordagem eutônica. E é isso que restringe a sua popularidade. Nenhuma teoria sensacional e fascinante reveste a eutonia para torná-la tão desejada ao ponto de provocar uma paixão coletiva. Em vez de se apresentar como um herói que detém a solução milagrosa e instantânea para os males que afligem o corpo humano, a eutonia caminha discreta e propõe com humildade aos que esgotaram os artifícios de cura e da mudança, um caminho difícil que certamente eles gostariam de poder pular. Difícil porque exige uma procura e uma atenção constantes, porque implica uma ética, porque conduz inevitavelmente a uma responsabilidade individual” (Gaumond, 2014, p.92)