Itemtexto

A ABE

Itemresume_institutional_1PiePageCorkfull.cork

A Associação Brasileira de Eutonia (ABE) é a entidade representativa dos eutonistas no Brasil. É gerida por um conselho administrativo e atualmente conta com 37 membros associados .

Iteminstitutional_1_contentPieTextCorkfull.cork

Missão

A Associação Brasileira de Eutonia (ABE) é uma organização com o intuito de dar o suporte necessário para os eutonistas exercerem sua profissão, garantindo o apoio tanto em trâmites burocráticos ou legais, quanto em questões éticas e filosóficas advindas da prática profissional. Constitui-se, assim, como entidade representativa dos eutonistas no Brasil junto a entidades nacionais, internacionais, órgãos públicos, entidades afins e perante o público em geral.

A ABE visa contribuir para o desenvolvimento e difusão da eutonia enquanto campo de prática e pesquisa nas áreas da educação, saúde e arte.  Pretende atuar como centro de formação e estudo acerca do método desenvolvido por Gerda Alexander, promovendo a troca de experiências e conhecimentos entre os profissionais da área.

Por fim, entendendo a necessidade contemporânea de ampliação da atuação da eutonia junto a sociedade nos seus mais diversos segmentos, tornando-a acessível a uma maior parcela da população,  a ABE compromete-se a orientar seus esforços para este fim. 

Histórico

A eutonia foi introduzida na América Latina na década de 70, quando Gerda Alexander esteve por duas vezes em Buenos Aires ministrando workshops. Esta experiência despertou o interesse dos participantes, entre eles a argentina Berta Vishnivetz, que se formou em eutonia e exerceu a função de assistente de Gerda Alexander na escola da Dinamarca durante quinze anos. 

Berta criou em 1986 a primeira escola latino-americana de Eutonia em Buenos Aires. Em 1990 levou a prática ao Brasil, dando início ao primeiro Curso de Formação em Eutonia no país, que aconteceu na cidade de São Paulo. Atualmente, Berta vive na Dinamarca e desenvolve pesquisas relacionadas à questão da dor junto à Universidade de Copenhagen.

A partir da formação da primeira turma de profissionais eutonistas e do início de sua prática, viu-se a necessidade de formar uma entidade que representasse seus interesses e regulamentasse esta prática profissional.